segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Abramo, Lívio

1903-1992

Nascido em Araraquara (São Paulo), é considerado um dos principais nomes da gravura brasileira, com exposições por todo o mundo. Em 1962 radicou-se no Paraguai não perdendo suas raízes de artista engajado na cultura brasileira. Assinava Lívio Abramo.

sábado, 9 de dezembro de 2017

WIilhelm Camphausen


Pintor alemão do século XIX.


Nasceu em Dusseldorf. em 1818;
e morreu na mesma cidade em 16 de Junho de 1885.

Estudou com A. Rethel e F. W. Schadow, tendo-se tornado rapidamente famoso enquanto pintor de temas históricos e militares, sendo nomeado professor de pintura da Academia de Dusseldorf em 1859.

Dos seus primeiros quadros destacam-se A Fuga de Tilly, de 1841, O Príncipe Eugénio na Batalha de Belgrado, de 1843 (no Museu de Colónia), Fuga de Carlos II depois da Batalha de Worcester (na Galeria Nacional de Berlim), A Cavalaria de Cromwell (na Pinacoteca de Munique).

Mas foram quadros abordando temas alemães, ou mais precisamente prussianos, que o tornaram famoso, como Frederico o Grande em Potsdam, Frederico II e os Dragões de Bayreuth na Batalha de Hohenfriedberg, assim como os que descreveram a campanha do Schleswig-Holstein, contra a Dinamarca e a Guerra de 1866 contra o Império Austríaco, sobretudo o quadro As Linhas de Duppel após a Batalha (na Galeria Nacional de Berlim) que o tornaram famoso na Alemanha como representante da pintura histórica patriótica.

Também pintou muitos quadros de príncipes alemães, políticos e militares alemães célebres.

Fonte:
Enciclopédia Britânica, edição de 1911

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Paul Baudry


nasceu em La-Roche-sur-Yonne, na Vendeia, França, em 1828; 
morreu em Paris em 1886.

Tendo ido para Paris em 1844, com uma bolsa de estudo paga pelo seu município, estudou com Drolling, um artista sólido mas de segundo nível, tendo entrado para a escola de Belas Artes de Paris em 1845. Ganhou o Prix de Rome em 1850 pelo seu retrato de Zenobia encontrada nas margens do Araxes, após cinco tentativas infrutíferas. 

O seu talento era muito académico, cheio de elegância e graciosidade, mas um tanto falho de originalidade. No decurso da sua estadia em Itália, Baudry foi muito influenciado pelo maneirismo de Coreggio, mas também de Ticiano, como é evidente nos dois trabalhos que exibiu no Salon de 1857, que foram comprados para o Palácio do Luxemburgo, sede do Senado francês: O martírio de uma virgem Vestal e a Criança. Os seus Leda, São João Baptista, e o Retrato de Beul, exibidos ao mesmo tempo, receberam o primeiro prémio daquele ano. 

Durante este período inicial Baudry escolheu normalmente assuntos mitológicos ou na moda, um dos mais importantes sendo A Pérola e a Onda. Tentou uma única vez realizar um retrato histórico, Charlotte Corday após o assassinato de Marat, em 1861, regressando por preferência pessoal aos assuntos anteriores e aos retratos de homens ilustres do seu tempo, como Guizot, Charles Gamier, Edmond About. 

As obras que coroaram a reputação de Baudry foram as suas decorações murais, que demonstram muita imaginação e uma elevada capacidade artística de utilização da cor, como pode ser constatado nos frescos na Cour de Cassation de Paris, no Palácio de Chantilly, e nalgumas palacetes privados  como o Hotel Fould e o Hotel Paivabut, mas sobretudo nas decorações do foyer da Ópera de Paris. Estes murais, ao todo mais de trinta pinturas, entre elas composições figurativas sobre a Dança e a Música, ocuparam o pintor durante dez anos. 

Foi eleito membro do Institut de France, tendo sucedido a Jean Victor Schnetz. Dois dos seus colegas, Paul Dubois e Antoine Mercier, cooperando com seu irmão, o arquitecto Baudry, erigiram-lhe um monumento funerário em Paris, em 1890, no cemitério do Père Lachaise.

Notícia retirada daqui

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Mary Cassat


Pintora norte-americana nascida em Pittsburgo, depois radicada em França. Percorreu a Europa e estudou em Espanha, Itália e Holanda. Integrou-se em Paris no grupo de pintores impressionistas. Foi amiga da pintora Berthe Morisot. Ambas da alta burguesia, pouco dadas a convivência de cabarés, imprimiram nas suas telas o lado mais feminino e intimista da vida das suas contemporâneas. Mary Cassat ficou também famosa por ter pintado a primeira mulher condutora de carro de cavalos. Deixou uma obra extensa e é um dos nomes grandes do Impressionismo.

Notícia retirada daqui

domingo, 3 de dezembro de 2017

Minerva Chapman


Pintora norte-americana, nascida perto de Nova Iorque. Filha de um homem de negócios que partiu com a família para Chicago. Minerva estudou em diversas escolas de artes nos EUA e da Europa. Em 1886 estabeleceu-se em Paris. Foi a primeira mulher convidada, oficialmente, para expor no Salon de Paris, que abriu tarde à participação das pintoras. Minerva pertenceu à escola impressionista. Depois de viver trinta anos em Paris passou a residir em Palo Alto, na Califórnia (EUA). Quando faleceu, a família tinha em seu poder mais de 700 telas. Como Minerva raramente assinava os seus quadros foi apenas reconhecida depois de 1975. Foi grande especialista em miniaturas e aguarelas. As suas paisagens são muito belas. Está bem representada no National Museum of Women in the Arts, que apenas exibe trabalhos artísticos de mulheres de todo o mundo.

Notícia retirada daqui

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Sébastien Bourdon

Nasceu em Montpellier em 1616;
morreu em Paris em 1671.

Enviado aos sete anos para Paris como aprendiz de pintor, abandonou a aprendizagem e viajou para  Bordéus e depois para Toulouse. Não tendo meios de subsistência teve de se alistar no exército. Um oficial tendo reconhecido o seu talento, conseguiu a saída de Bourdon do exército e financiou uma viagem a Itália. Bourdon trabalhou com Claude Lorrain e Nicolas Poussin.

Trabalhou em Roma de 1634 a 1637, tendo desenvolvido um talento para imitar o trabalho de outros pintores, provavelmente com intenção de iludir, já que parece que as suas obras eram vendidas como originais de outros pintores. Continuou nesta veia quando regressou a França, nunca tendo por isso criado um estilo próprio. Pintou para a catedral de Notre Dame, o palacete Grammonte para a igreja de Santo André de Chartres. Em 1648 foi um dos fundadores da Academia Real de França, tendo sido um dos seus professores.

De 1652 a 1654 foi pintor na corte da rainha Cristina da Suécia, tendo pintado dois retratos da soberana. Regressado a França, trabalhou principalmente como retratista, desenvolvendo um estilo mais pessoal, utilizando tons macios e a recriação de tecidos caindo em cascata que criam um efeito langoroso e romântico. 

Notícia retirada daqui

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Pelosiro - Educação - Lista de Sites


Ensino Regular
Educadora de Infância - Link
Net Ciências - Link
Net Matemática - Link
Net Física Química - Link
Net Primeiro Ciclo - Link
Ciencias Sociais na Net - Link
Explica Filosofia - Link
Explica Geografia - Link
Explica História - Link
Departamento de Expressões - Link
Departamento de Línguas - Link
Tecnologias de Informação e Comunicação - Link

Educação Especial
A Educação Especial - Link

Educação de Adultos
Educação e Formação de Adultos - Link

Ensino Profissional
Portal Nacional de Saúde e Socorrismo  - Link
Portal Ambiental Nacional - Link
Portal Nacional da Indústria Alimentar - Link
Portal Nacional de Turismo - Link
Agricultura e Desenvolvimento Rural - Link
Ensino Profissional e Vocacional - Link
Higiene e Segurança no Trabalho - Link

Educação Sexual
A Educação Sexual - Link

Educação
Escola XXI - Link

Sónia Ilinitchna Terk Delaunay

Pintora francesa de origem russa, nasceu na Ucrânia perto de Odessa e viveu em Paris. Casou em segundas núpcias com Robert Delaunay. Admiradora dos pintores Van Gogh e Gauguin realizou em 1911 a primeira obra abstracta. São dessa época os quadros "Tango", "Bal Bullier" e "Prismes Electriques". Ligada a Portugal por aqui ter vivido (Vila do Conde) os três primeiros anos da 1ª Guerra Mundial, deixou telas inspiradas na arte popular portuguesa. O casal Delaunay também residiu em Madrid. Sónia foi um dos vultos maiores da Art Déco: desenhou moda, fez decoração de teatro, figurinos para bailados, nomeadamente para Diaghilev, criou tecidos e especialmente peças de mobiliário. Viveu em Paris de 1921 até falecer. Foi uma das mais representativas artistas da chamada arte abstracta e muito apreciada em vida.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Elena Dimitrievna Diakova

Musa do surrealismo, nasceu em Kazan (Rússia) e radicou-se em França convivendo com os surrealistas como Magritt, Breton, Aragon, Tzara. Casou com o poeta Paul Eluard e, em 1929, conheceu o pintor Salvador Dali que faria dela um dos seus temas preferidos e considerava-a sua musa. A ela se deve muito da fama de Dali com quem casou depois de enviuvar. Exerceu enorme fascínio sobre diversos artistas com quem viveu. A sua vida e a do pintor surrealista Dali foram recheadas de acontecimentos e polémicas. Viveram nos EUA e Itália. Salvador Dalí sofreu profundamente com a morte da sua companheira de uma vida, e sobreviveu-lhe escassos anos. Gala está em inúmeras telas de Dali, por esse facto é um dos corpos e rostos mais conhecidos do séc. XX.

sábado, 25 de novembro de 2017

Leonor Fini


Pintora surrealista, nascida na Argentina, filha de mãe italiana. A passagem por este país foi rápida, porque, apenas com um ano de idade a mãe, depois de se divorciar, levou-a para Trieste (Itália). Leonor (ou Eleonora) Fini frequentou os meios boémios da Europa. Foi uma autodidacta. Ficou famoso o guarda-roupa que desenhou para a bailarina Margot Fonteyn, no seu papel de Agata (a Gata) com coreografia de Rolant Petit, apresentado em Paris, sem esquecer que foi também Leonor quem desenhou o guarda-roupa para os filmes Romeu e Julieta (1954) e Satyricon(1969) do grande realizador italiano F. Fellini. Leonor Fini tem uma obra extensa e diversificada. Ilustrou primorosamente livros para crianças. Entre os mais notáveis figuram desenhos para obras de Baudelaire, Jean Genet, Sade e Edgar A. Poe. As máscaras que concebeu para a Comédie Française, para a Ópera de Paris, bem como para o Scala de Milão mostram outro lado criativo desta excepcional artista. Leonor deu-se com pintores como Picasso, Dali, De Chirico, Dali, Max Ernst com quem teve uma relação amorosa. As suas obras estão em quase todos os museus do mundo e desde o ano da sua morte, 1996, que se têm realizado retrospectivas dos seus trabalhos, como as de 1997 e 1998 em Nova Iorque e Boston.

Biografia retirada daqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...